segunda-feira, 30 de abril de 2012

Novidades sobre a nossa localidade

Como já muitos terão conhecimento, o Jornal A Voz de Esmoriz publicou a sua nova edição, no dia 26 de Abril (passada quinta-feira).
De entre os inúmeros temas abordados, começamos por destacar o 81º aniversário dos Bombeiros Voluntários de Esmoriz, corporação que se tem dedicado à nossa comunidade com fidelidade e coragem. No Domingo (isto é, ontem), sucederam-se comemorações que contaram com um desfile pela Avenida dos Correios e Avenida Raimundo Rodrigues e ainda com um merecido convívio no respectivo quartel. Pelo meio, foram ainda benzidas três novas viaturas da corporação.
No sábado passado, o Centro de Assistência Social de Esmoriz promoveu uma iniciativa no auditório da Junta Freguesia - A vida activa depois dos 65. Neste encontro, estiveram presentes duas figuras importantes - a atleta Joaquina Flores (da qual já falamos recentemente) e a poetisa Lourdes dos Anjos, que partilharam os seus exemplares testemunhos dum envelhecimento que se requer saudável.
No desporto, o Jornal destaca as vitórias finais do Sporting Clube de Esmoriz e do Esmoriz Ginásio Clube que cumpriram então os seus principais objectivos na presente temporada. Este assunto também já foi aqui devidamente analisado. Todavia, não frisamos o sucesso estrondoso do TIVE 2012, empreendimento fomentado pelo Esmoriz Ginásio Clube que decorreu durante a pausa escolar da Páscoa (8 dias). Ao todo, terão participado cerca de 50 equipas (dispersas pelo nosso país e ainda 3 equipas espanholas) o que se traduziu no divertimento de 600 atletas que estiveram presentes neste evento. Também não poderíamos deixar de salientar o sucesso dos esmorizenses na modalidade de Taekwondo que brilharam no Open Internacional de Peniche, alcançando 13 medalhas. O Esmoriz Ginásio Clube foi mesmo a segunda melhor equipa da prova, feito que orgulha e dignifica a nossa localidade.
Por fim, é ainda justo ressalvar que a Rádio Voz de Esmoriz comemorou recentemente 25 anos de bons serviços informativos prestados à comunidade, contando ainda com a presença de Iran Costa que apadrinhou a festa!



Imagem duma viatura dos Bombeiros de Esmoriz que contam agora com 81 anos de existência. A corporação tinha nascido a 26 de Abril de 1931 e desempenharia, até à actualidade, um papel essencial em prol dos cidadãos esmorizenses (e não só!).



Fontes Consultadas:

  • Jornal A Voz de Esmoriz. Edição 26 de Abril de 2012. Direcção de Carlos Alexandre Loureiro de Sá. Colaboração de Lília Marques e Marco Oliveira.

domingo, 29 de abril de 2012

A propósito da celebração do Bom Pastor...


Párocos
Ano correspondente
Informações diversas
Soeiro Mendes
1251
Afonso Peres
1258
Foi ainda reitor
Domingues Esteves
1306
António Fernandes
1308
Giral Rodrigues
1407
João Esteves
1453
Foi também reitor
Afonso Esteves
1453
Sucede imediatamente ao anterior
Pedro Gonçalves
1522
Bacharel que terá dado formação a D. Paulo Pereira, capelão-mor do rei
Jorge Fernandes
1573
Licenciado; Foi processado pela Inquisição de Coimbra
Baltasar Jorge
1580
Fez o tombo dos passais em 1600
António da Costa Borges
1619
Diogo Vaz de Pinho
1621
João de Pinho
1637
Sobrinho do anterior
Lucas Pinto Gramacho
1667
João de Sá
1675
João Munhós de Matos
1676
Dedicou muito do seu trabalho a Cortegaça
António Nunes de Aguair
1691
Baltasar de Sousa Cirne
1724
Bento da Assunção Pimenta
1724
Fora cónego regrante de Santo Agostinho de Santa Cruz de Coimbra, para além de ter familiares associados à
Ordem de Cristo.
Manuel da Purificação da Rocha Pinto
1767
Manuel Francisco António da Rocha
1777
Era bacharel
Bernardo António Pereira Godinho de Andrade
1777
Reedificou a residência paroquial
André António Pinto da Cunha
1784
Operou algumas mudanças estruturais na Igreja de Esmoriz
Joaquim António Pinto da Cunha
1837
Está por muito pouco tempo à frente da paróquia
Luís de Santa Ana Zagalo
1837
Serviu como capelão das tropas liberais provenientes de Ovar, servindo D. Pedro. Foi ainda acusado pelo
administrador da Feira de ser imprudente e antipático com os paroquianos. Acabou por ser vítima dum assalto que resultou em agressões a si e ao seu cura.
Manuel Alves Fardilha Júnior
1851
José Rodrigues dos Santos Almeida Cardoso
1851
Joaquim de Esmoriz Fernandes de Sá
1855
Abade encomendado.
Manuel José Alves Rodrigues da Cruz
1855
Joaquim de Esmoriz Fernandes de Sá
1871
Abade encomendado regressa às funções paroquiais.
Roberto Gonçalves de Sá
1872
Jacinto Correia de Andrade
1890
Manuel Henriques da Silva
1890
Jovem pároco que fora admirado pelos paroquianos. Faleceria com apenas 38 anos.
José António da Costa Pinheiro
1891
Também demonstrou a sua afeição pela população. Reedificou a Igreja.
José Joaquim Tavares
1904
Abade encomendado.
António Pinto de Paiva Freixo
1904
António André de Lima
1905
Padre polémico com intromissões constantes no campo político, sendo alvo de inúmeros ataques nos jornais.
Demonstrou ainda um tremendo afecto por Espinho.
Manuel Rodrigues Vieira Pinto
1933
Desempenhou um importante trabalho, a nível espiritual.
Manuel Moreira de Paiva
1964
Natural de Arouca, foi um sacerdote zeloso.
Fernando Dias da Costa Campos
1971
Homem que tem dedicado uma expressa devoção de forma a corresponder às necessidades dos seus
paroquianos.

  Tabela nº 1 - Lista de Párocos que prestaram serviço espiritual em Esmoriz ao longo dos tempos.
  Informações retiradas de: AMORIM, Aires de - Esmoriz e a sua História. Esmoriz: Comissão de   
  Melhoramentos, 1986, p. 107-125.


Como poderemos constatar, Esmoriz acolheu inúmeros pastores desde o século XIII até aos nossos dias. Uns foram bem amados, outros nem por isso. Uns dedicaram-se mais a questões externas, outros apenas se concentraram em dar o seu melhor para corresponder às diversas necessidades espirituais dos esmorizenses. Através desta tabela podemos ainda observar que muitos destes párocos detinham uma formação cultural elevada (doutores, bacharéis...). A duração das suas carreiras variava, visto que ora teríamos padres cuja missão se eclipsaria em menos de um ano, ora vislumbraríamos outros sacerdotes que, durante décadas, estariam à frente da nossa paróquia. 
Na actualidade, o nosso pároco é Fernando Dias da Costa Campos e, como tal, seria justo descrever um pouco da história deste pastor que professa na Igreja Matriz de Esmoriz.
Fernando Campos nasceria em 28-09-1932, mais concretamente em S. Martinho de Bougado (Trofa). Era filho de José Dias da Costa Campos e de Idalina Mamede dos Santos. Desde cedo, revelou talento para os desígnios de Deus, sendo nomeado pároco de Malta (1956-1966) e director espiritual do seminário de Vilar (1966-1970). 
Em 6 de Fevereiro de 1971, assume os destinos da paróquia de Esmoriz, numa altura em que era visível um tremendo alvoroço social. Este sacerdote teve que pacificar e acalmar semelhante agitação popular o que não foi fácil, ocorrendo inclusive alguns episódios infelizes. A indisciplina foi desaparecendo gradualmente o que trouxe benefícios à nossa comunidade. Com o avançar dos tempos, criaram-se novos grupos em torno da Igreja (os Escuteiros e o Grupo de Jovens que auxiliam nas tarefas espirituais) e uma nova estrutura paroquial, encabeçada pela D. Isabel Moreira, uma senhora que sempre demonstrou um indiscutível profissionalismo, tal como a sua irmã, Maria Joaquina Moreira, que tem contribuído para a preparação de muitas das Eucaristias realizadas aos sábados. Rodeado de pessoas competentes, o padre Fernando conseguiria deixar uma obra material e espiritual notável, como sublinha Aires de Amorim no seu estudo.
Apesar de ter sido acometido recentemente por uma grave doença (que o colocou quase às portas da morte), o nosso sacerdote, ainda com 79 anos, continua empenhado em realizar os seus bons serviços em prol da nossa paróquia! Um bem haja para esse senhor!!!




Figura nº 1 - O padre Fernando Campos foi, ontem, alvo duma homenagem sentida por parte da comunidade esmorizense que celebrou a cerimónia do Bom Pastor.



Figura nº 2 - A Igreja Matriz de Esmoriz.
Foto da autoria do Cusco de Esmoriz

sexta-feira, 27 de abril de 2012

Uma septuagenária imparável

O seu nome é Joaquina Flores. Tem 71 anos e é natural de Esmoriz, apesar de morar actualmente em Moscavide (Loures). Esta atleta participou no Campeonato do Mundo de Atletismo para Veteranos em 2011, realizado na Flórida. O seu rendimento foi fabuloso, tendo alcançado três medalhas de ouro nesse grande empreendimento desportivo!!! Na prova dos 10 000 metros, atingiu a meta ao fim de 48 minutos!
Joaquina dedicou-se ao atletismo desde os seus 49 anos até aos nossos dias, e os títulos que já alcançou são difíceis de contabilizar. De entre o seu invejável currículo, podemos salientar que já foi Campeã do Mundo, Campeã da Europa, Campeã Nacional, Campeã Distrital e Campeã da INATEL em Veteranas. 
Por outro lado, já participou em inúmeras provas internacionais, tendo conseguido um lugar no pódio por diversas vezes (tem cerca de 15 medalhas de ouro, 13 de prata e 7 de bronze!!!). 
O Município de Loures não hesitou em homenagear esta senhora, promovendo uma nova actividade desportiva para os habitantes dessa região - A Corrida Joaquina Flores
Com este exemplo, queremos demonstrar que existem filhos da nossa terra que brilham nos quatro cantos do mundo! Joana Leite brilhou recentemente no Festival da Canção da RTP e nos últimos anos, temos os fantásticos feitos desta Joaquina Flores que já brilhou em provas realizadas nos mais diversos países: Espanha, EUA, Tunísia, Irlanda, Itália, Alemanha, Inglaterra, África do Sul, Austrália...
No caso de Joaquina, saliente-se ainda que é um exemplo para todos, quer sejam  jovens ou idosos, visto que o usufruto da prática desportiva é sempre saudável. Aliás, ser idoso não é sinónimo de pessoa descartável, não é senhores políticos?




Imagem nº 1- Joaquina Flores vence uma medalha, representando o nosso país no estrangeiro.



Imagem nº 2- A atleta mediática no seu palco preferido!


video

Entrevista a Joaquina Flores por Fátima Lopes em 2009 (SIC/Sapo)
Retirado de: http://upload.videos.sapo.pt/uMvzgrBVt4iwnJGq6Yud

Fontes Consultadas:

quarta-feira, 25 de abril de 2012

Avaliação da perfomance do Esmoriz Ginásio Clube na I Divisão (séniores masculinos)

Tal como o Sporting Clube de Esmoriz (no futebol), também o Esmoriz Ginásio Clube (no voleibol) iniciou o planeamento da actual temporada desportiva com dificuldades financeiras o que levou a instituição a optar pelo orçamento mais reduzido da I Divisão. A crise vivida pelo clube encontra eco nas intransigências de alguns credores bem como na escassez de financiamento por parte dos patrocinadores privados, da autarquia e junta de freguesia.
Por isso, não se podia exigir o mundo a André Sá, jovem treinador (com apenas 30 anos!) que sente o clube, como poucos, visto que fez carreira em prol da instituição. Não podemos ainda esquecer que este senhor exerce ainda funções de preparador físico na Selecção Portuguesa, agora liderada pelo italiano Flávio Gulinelli. Por isso, não temos dúvidas que é o homem certo no lugar certo.
Voltando à temática do rendimento geral, o Esmoriz Ginásio Clube conseguiu terminar a época com o principal objectivo a ser inequivocamente atingido - a manutenção na I Divisão. A equipa não foi muito feliz na fase regular, mas depois na série dos últimos, conseguiu melhorar o seu rendimento, tendo recuperado, pelo menos, um posto. É verdade que o antepenúltimo lugar pode saber a pouco, visto que o EGC podia ter ficado à frente do SC Caldas, algo que infelizmente não conseguiu, todavia voltamos a relembrar que o orçamento era o mais baixo e para além disso, o plantel continha muitos jovens (com dois ou três jogadores oriundos dos juniores). De facto, os tempos que a instituição vive não são fáceis e infelizmente, esta conjuntura crítica não parece ser passageira (algo que também se aplica ao futebol). O voluntarismo dos associados e dos simpatizantes é essencial para a sobrevivência das diversas modalidades que existem na cidade e que proporcionam aos jovens uma maior sociabilidade, afastando-os de vícios ou de caminhos mais obscuros. 


Esmoriz Ginasio Clube Logo Vector Download

Imagem nº 1 - Logotipo do Esmoriz Ginásio Clube



Julgamento do Ginásio de Esmoriz decorre em Ovar

Imagem nº 2 - Visão sobre o Ginásio, aonde brilham os atletas do voleibol e doutras modalidades




Vídeo sobre o 43º aniversário do Esmoriz Ginásio Clube
Retirado de: http://www.youtube.com/watch?v=h8_HmIAQVJI, (24-04-2012).


Fontes Consultadas:

HOJE não percam em pleno 25 de Abril...


Exposição sobre a Barrinha de Esmoriz junto ao Café Anos 60, situado entre o Monumento aos Pescadores e a Praia Velha de Esmoriz. 
Custo de entrada: 0, 00 euros
Vantagens: Visualização de quadros criteriosamente seleccionados sobre este património natural e entrega dum postal totalmente gratuito. 
Horário de entrada: Seguramente da parte da tarde, embora não possamos adiantar já a hora, todavia será em torno das 15/16 horas.


PS: O nosso próximo texto será publicado ainda hoje ou amanhã e avaliará a participação geral da outra entidade desportiva que representou, durante esta temporada, a nossa localidade - o Esmoriz Ginásio Clube! Por isso, estejam atentos!

segunda-feira, 23 de abril de 2012

Análise ao rendimento geral do Sporting Clube de Esmoriz (temporada 2011-2012 - AF Aveiro - II Divisão, Série A)

Antes do início desta época, a continuidade do Sporting Clube de Esmoriz foi alvo de inúmeras discussões. A ausência de apoios e patrocínios prometiam dificultar a tarefa daqueles que queriam salvaguardar o futebol na nossa localidade! Por seu turno, a Junta de Freguesia decidiria não prestar um apoio decisivo a esta instituição desportiva que via o futebol sénior a ser ameaçado. Por outro lado, também não é menos verdade que o clube deixou de aceder aos investimentos efectuados por parte de importantes famílias que detinham recursos financeiros consideráveis. A situação era, portanto, crítica.
Após 9 anos consecutivos com presenças honrosas na 2ª divisão B (actualmente designada de II Divisão), os dirigentes do Esmoriz optaram então por competir nos distritais e recomeçar um caminho, desta feita sem ilusões e com os pés bem assentes na terra. O novo presidente, José Vasconcelos, empenhado em salvar o clube, decidiu avançar com um orçamento a rondar os 100 mil euros para a temporada de 2011/2012. O planeamento desportivo não foi o melhor, visto que o impasse directivo e a crise financeira não contribuíram para que a conjuntura fosse a mais favorável.
Assim sendo, o Sporting Clube de Esmoriz apostou em atletas, provenientes das camadas jovens ou de clubes modestos. Os dados estavam lançados e existiam alguns adeptos que acreditavam mesmo na promoção, logo na primeira época. Obviamente que não pude concordar com este tipo de perspectiva, visto que o clube acabava de iniciar um novo ciclo e por isso, não se podiam fazer tais exigências (como refere o ditado: Roma e Pavia não se fizeram num dia). Assim sendo, esta instituição necessitava de calma e harmonia de forma a ambicionar o seu crescimento. Não nos podemos esquecer que o S. C. Esmoriz não dispôs de todo o tempo do mundo para construir este plantel, antes pelo contrário, teve que se mexer depressa para ainda conseguir competir nesta temporada. Os jogadores adquiridos precisavam agora de conhecer as ideias do seu treinador, Paulo Conde, um homem da casa que prestou sempre bons serviços ao clube. Para além disso, era necessário que os atletas alcançassem o indispensável entrosamento de forma a produzirem bom futebol dentro das quatro linhas e isso, meus caros, não se constrói do dia para a noite, mas sim ao fim de muitos treinos e jogos realizados. 
Como já puderam depreender, o Sporting Clube de Esmoriz terminou a actual época no 5º lugar da série A da II Divisão AF Aveiro, contabilizando 40 pontos em 24 jornadas. Em termos estatísticos, os esmorizenses foram o 3º melhor ataque da prova (com 41 tentos apontados, embora longe dos 74 logrados pelo vencedor da série - o Mansores) e a 6º melhor defesa (com 32 golos sofridos). No total, a turma da Barrinha conseguiu 12 vitórias, 4 empates e 8 derrotas!
O saldo é positivo, tendo em conta as incidências que antecederam e assombraram a estabilidade desta instituição que presta um importante serviço à nossa comunidade, incentivando os jovens a uma prática desportiva saudável e afastando-os de vícios nefastos para as suas vidas. Na minha perspectiva, reforço então a ideia de que o Sporting Clube de Esmoriz realizou uma época minimamente bem conseguida, criando já um grupo que deverá sofrer alguns retoques mas que seguramente já não partirá da estaca zero na próxima época. Por isso, acreditamos que, no ano seguinte, a equipa estará mais forte e coesa, visto que contará nas suas fileiras com jogadores que já assimilaram as ideias do seu treinador e isso, poderá fazer toda a diferença.
Por fim, não poderíamos ignorar as obras de remodelação que abrangeram o recinto do Sporting Clube de Esmoriz. Por um lado, foi construído um novo bar para que os sócios possam sociabilizar, enquanto que por outro, o primeiro andar do estádio tem sofrido melhoramentos significativos. É possível que estes novos espaços sejam inaugurados em Junho deste ano, altura em que o clube comemorará os seus 80 anos de existência.


logo of SC Esmoriz
Imagem nº 1- Logotipo do Sporting Clube de Esmoriz



Imagem nº 2 - Visão sobre o Estádio da Barrinha, espaço onde brilha o Sporting Clube de Esmoriz!




Vídeo com alguns momentos do jogo Soutense 1 Esmoriz 0 (primeira jornada) e ainda com uma breve entrevista a Paulo Conde, técnico principal do Sporting Clube Esmoriz. (Reportagem realizada pelo canal Lusitana Desporto através do jornalista António Santos).
Retirado de: http://www.youtube.com/watch?v=d-sYZPbyvsU, (23-04-2012).



Fontes Consultadas:

sexta-feira, 20 de abril de 2012

A justa homenagem ao Tanoeiro

Um dos monumentos mais atractivos da cidade de Esmoriz pode ser encontrado nas proximidades da Junta de Freguesia e da Igreja Matriz. Trata-se duma escultura que homenageia uma actividade tradicional que, por seu turno, vigorou durante muito tempo na nossa região. A indústria tanoeira faz seguramente parte dum capítulo da história da nossa localidade e, por isso, abordaremos o impacto que este ofício teve, ao longo dos tempos.
Antes demais, importa definir a função deste artífice. Assim sendo, o tanoeiro fabricava e reparava pipas, tonéis, dornas e outros objectos análogos. De facto, era uma profissão humilde e detentora duma tradição de respeito.
Nos primeiros tempos, os tanoeiros naturais de Esmoriz exerciam a sua profissão noutras cidades. Tal parece ter sido moda nos séculos XVIII e XIX. Dos ilustres esmorizenses que se concentraram, desde cedo, nesta arte, devemos destacar os seguintes:

  • José Fernandes de Oliveira (reportado em 1747) 
  • Manuel da Costa Godinho (meados do século XVIII) - Exerce o seu cargo no Porto, mais concretamente em São Nicolau.
  • João Pereira (meados do século XVIII) - Desempenha funções em Miragaia.
  • Manuel Pereira Couto - Em 1769, é mestre tanoeiro no Rio de Janeiro (ainda na época em que o Brasil era uma colónia de Portugal).
  • José Francisco Vita - Natural de Gondesende. Trabalhava na indústria tanoeira em Oliveira do Bairro.
  • Joaquim Luís Soares - Exerceu a sua actividade na localidade de Barcouço (situada na zona da Mealhada). 
  • Bernardo José da Silva - Apenas sabemos que também trabalharia por fora da terra.
  • António Rodrigues da Silva - Em 1877, destaca-se em S. Lourenço (Setúbal).
  • Manuel Francisco de Oliveira - Detinha uma tanoaria em Gaia.
  • Joaquim Gomes de Oliveira - Em 1894, monta a sua fábrica em Guimarães. Saliente-se ainda que este senhor foi condecorado com medalhas de ouro e menções honrosas devido ao talento que depositava nesta arte.
Como observamos, nestas épocas iniciais, este profissionais da tanoaria exerciam as suas funções noutros espaços, visto que este sector ainda não se tinha afirmado em Esmoriz. Por isso, muitos destes trabalhadores  deslocavam-se semanalmente às tanoarias de Gaia e Porto (e não só!).
No século XX, a história já é outra e desta feita, assistimos à afirmação desta indústria na nossa localidade. Em 1919, já existiam 19 tanoarias em Esmoriz. Todavia na segunda metade deste século, esta actividade começa a viver tempos difíceis, embora ainda consiga resistir. Por isso, no ano de 1984, destacam-se ainda as tanoarias esmorizenses de Mário da Cruz Rodrigues (com 20 operários), Luís de Sá Ramalho (com 12 operários) e Joaquim Dias Ferreira (com 10 operários). Este último parecia ser bem sucedido nos seus negócios, exportando vasilhame para Espanha, Canadá, EUA, Bélgica e Alemanha Ocidental.
Todavia, e quando Aires de Amorim abordou o estado deste sector no ano de 1986, já constatava um declínio tremendo deste ofício, chegando aquele erudito a referir o seguinte:

"Nota-se que escasseiam os aprendizes e os próprios tanoeiros abandonam a arte, à medida que encontram outra mais limpa. É uma indústria em vias de extinção"

Diga-se, em abono da verdade, que esta actividade ainda existe em Esmoriz, embora a sua presença seja muito reduzida e sem a influência económica dos outros tempos. Todavia, o seu passado com "ligação umbilical" à nossa cidade justificou a construção dum interessante monumento que exibimos na fotografia em baixo.



Imagem nº 1- Monumento ao Tanoeiro. A entidade promotora terá sido a Junta de Freguesia de Esmoriz e a escultura foi inaugurada no ano de 1989.
Fotografia da autoria do Cusco de Esmoriz


Fontes Consultadas:

  • AMORIM, Aires de - Esmoriz e a sua História. Esmoriz: Comissão de Melhoramentos, 1986, p. 315-317.
  • SILVA, António de Morais (e outros) - Grande Dicionário da Língua Portuguesa. Vol. 7. Matosinhos: QN - Novas Tecnologias da Informação, 2002, p. 73.

terça-feira, 17 de abril de 2012

A capela da Nossa Senhora da Penha de França (localizada em Esmoriz) e a sua História

As origens deste templo remontam, pelo menos, ao ano de 1623, época em que já existia uma ermida com a referida invocação. No século XVIII, este edifício seria demolido. Contudo, seria, em breve, erguida uma nova capela, avaliada em 355$000. No ano de 1751, foi construído um coro que custou 24$130 reis. 
Também o século XIX foi frutuoso, em termos de obras no novo espaço de adoração. Em 1854, planeia-se a construção da sua torre e no final de século, procedeu-se ao douramento do seu altar. Por estes anos, também foram colocados novos sinos.
Seguiram-se novas remodelações, nos anos de 1923 e de 1962, até chegarmos à configuração actual, espelhada na imagem que disponibilizamos em baixo. 
Como podemos observar, esta antiga capela encontra-se ainda preservada em muito bom estado, isto para além do seu meio envolvente ser muito apelativo (com a existência de árvores que têm sido devidamente tratadas). Em 1986, o Padre Aires de Amorim já referia, com toda a sua razão:

"A capela encontra-se, agora, bela, como nunca (...) A capela é cercada por um rossio, em que havia, no final do último século, sobreiros, carvalhos, um castanheiro, uma oliveira e um cipreste"




Imagem nº 1- Capela da Nossa Senhora da Penha de França em Esmoriz
Fotografia da autoria do Cusco de Esmoriz


Por fim, não poderíamos deixar de abordar esta nova invocação da Nossa Senhora da Penha de França, cuja lenda será seguramente pouco conhecida, apesar da mesma estar na origem do nome da capela que tão bem conhecemos na nossa localidade.
No ano de 1434, Simão Vela (um monge francês) terá sonhado com uma imagem da Nossa Senhora que estaria enterrada no topo duma montanha ou doutro ponto geográfico elevado. Durante cinco anos, o referido monge procurou-a fervorosamente nas montanhas e serras, sendo incentivado por alegadas advertências divinas, tais como esta  -"Simão, vela e não durma" (daí nasceu o seu apelido de Vela - Simão Vela). 
Após uma caminhada mais exigente, Simão necessitou de repouso e, segundo o mito, foi aí que uma formosa senhora lhe apareceu com um menino ao colo, indicando o lugar que ele procurava - tratava-se duma serra alta, situada no Norte de Espanha, que se designava Penha de França. O monge, auxiliado pelos pastores locais, encontrou aí a referida imagem da Nossa Senhora que estaria enterrada. Imediatamente, decidiu construir uma ermida nesse local, dando início a um novo culto! Nascia assim a lenda da Nossa Senhora da Penha de França!


 
Imagem nº 2- Retrato da Nossa Senhora da Penha



Imagem nº 3 - Aparição de Nossa Senhora a Simão Vela, sendo este último informado sobre o caminho a seguir para assegurar a descoberta da célebre imagem que estaria enterrada num ponto mais alto.



Imagem nº 3 - A Serra da Penha de França (localizada no Norte de Espanha), espaço visitado pelo monge francês que encontrou aí a referida imagem de Nossa Senhora, isto para além de ter iniciado a criação dum novo culto nesse local.


Fontes Consultadas: